Você está aqui: Página Inicial / Sobre a Câmara / Notícias / Atuação da Semusa é elogiada na Câmara

Atuação da Semusa é elogiada na Câmara

por Diretoria de Comunicação publicado 22/06/2018 17h45, última modificação 22/06/2018 22h08
Prestação de contas da Semusa mostra resultados dos trabalhos das equipes de saúde do município, nos últimos quatro meses
Atuação da Semusa é elogiada na Câmara

Carlos Bruno e Amarildo de Sousa mostram desempenho da Semusa

O secretário municipal de Saúde, Amarildo de Sousa, e suas equipes estiveram na Câmara Municipal, na última quarta-feira (20), para apresentar o relatório quadrimestral da sua pasta, com acompanhamento do presidente do Conselho Municipal de Saúde, Warlon Carlos Elias. O vereador Renato Ferreira (PSDB) coordenou os trabalhos com a vereadora Janete Aparecida (PSD), primeira-secretária. Prestigiaram a apresentação os vereadores Cleiton Azevedo (PPS); Sargento Elton Tavares (PEN); Eduardo Print Jr. (SDD) e Raimundo Nonato (PDT), segundo-secretário.

O Relatório Detalhado do primeiro quadrimestre de 2018, atende ao art. 36, da Lei Complementar n. 141/2012 e a Resolução CNS n. 459, de 10 outubro de 2010.

Receitas e despesas

O servidor Carlos Bruno de Rezende, diretor administrativo e de interface da Semusa, iniciou os relatos, mostrando o montante financeiro e as fontes de recursos aplicados nos últimos quatro meses, que chegaram a R$ 43.366.878,72 (receitas municipais), R$ 72.249.407,70 (transferências federais e estaduais) e R$ 36.062.971,54 (Fundo Municipal de Saúde), totalizando R$ 151.679.257,96.

Segundo Carlos Bruno, o percentual de aplicação da receita líquida de impostos e transferências constitucionais, em ações e serviços públicos, chegou a 17,63%. Os maiores gastos ocorreram com a assistência hospitalar e ambulatorial, atenção básica e administração.


Auditoria

As auditoras Adriana Aparecida Gomes, Flávia Guimarães e Ronara Machado Santos mostraram os eventos acompanhados pela Auditoria, destacando as demandas do Ministério Público, na Atenção secundária (Policlínica e Crer); do Ministério da Saúde e do Serviço de Tratamento Fora do Domicílio, além de visitas técnicas, depoimentos, entrevistas, análises de documentos e relatórios.

A auditora Flávia Guimarães destacou dados de morbidade hospitalar (4.457 casos), enfatizando as neoplasias (tumores) como a principal causa de mortes, seguidas de problemas de gravidez/ parto/ puerpério, envenenamento ou causas externas, doenças do aparelho circulatório, do aparelho digestivo e geniturinário.

Sobre a atividade ambulatorial, no Hospital S. João de Deus, o tratamento em Oncologia é o principal item (43.528 procedimentos), seguido de consultas/ acompanhamentos (19.438 casos), diagnóstico de laboratório clínico (14.665 análises) e Nefrologia (9.964 procedimentos), entre outros.

No Centro de Medicina Nuclear, houve 183 diagnósticos; o Laboratório de Análise registrou 2.206 diagnósticos e, pela APAE, foram feitos 4.244 consultas/ atendimentos e 882 sessões de fisioterapia.


Atenção à Saúde

Divinópolis conta hoje com 43 Unidades de Atenção Primária em Saúde (UAPS), distribuídas em 10 distritos sanitários, das quais 11 são Centros de Saúde Convencional e 32 de Estratégias Saúde da Família (ESF).

A supervisora da Atenção Primária, Michele Pereira Braz, apresentou relatório sobre os procedimentos realizados na atenção primaria, com destaque para a vacinação (83.800 doses), visitas domiciliares por profissional de nivel médio (55.962), consultas médicas (48.292), antropometrias (36.838), consultas de nível superior não-médicas (31.569), pre-consultas (28.352) e aferição de pressão arterial (18.011), entre outros procedimentos.


Atendimentos especializados

Segundo Michele Braz, “os atendimentos especializados são realizados na Policlínica (inclui SAE), SEO, CRER e CEMAS (Apoio Diagnóstico). Os cuidados ou tratamento que extrapolam a capacidade de resolução destes serviços são encaminhados para serviços terceirizados (CISVI, Hospital São João de Deus) e/ou para outros municípios através do TFD. No entanto, existem filas de espera e, em alguns casos, vazios assistenciais”.

Na Policlínica, são atendidos usuários encaminhados pelas Unidades Básicas de Saúde e de Saúde da Família para obter assistência ambulatorial. Nesta instituição, foram feitas 26.842 entregas de resultados, 18.547 consultas (pré e pós), 8.608 orientações por telefone e 7.459 consultas especiais.

No Centro Municipal de Assistência à Saúde (CEMAS), foram realizados 212.996 exames laboratoriais com destaque para os bioquímicos, hormonais, hematológicos e microbiologicos. No Serviço de Especialidades Odontológicas (SEO) foram realizados 3.109 procedimentos, destacando-se as tomadas radiográficas, consultas de nivel superior (não médicas) e tratamento completos.

Os atendimentos especializados do Centro Regional de Reabilitação (CRER) chegaram a 14.628, enquanto no Serviço de Assistência Especializada (SAE)/ Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA) houve 13.533 atendimentos.

A garantia do acesso da população a serviços de qualidade, com equidade e em tempo adequado ao atendimento das necessidades de saúde, mediante aprimoramento da política de atenção básica e da atenção especializada, foi possível devido a cobertura populacional das equipes de saúde da família de 46,99% e 69,61% de cobertura de equipes de Atenção Básica até abril de 2018. O acompanhamento das condicionalidades de saúde do programa Bolsa Família alcançou até o inicio de junho 42,57%”, enfatiza Michele Braz.


Upa Padre Roberto

A diretora de Atenção à Urgência e Emergência (AUE), Cristiane Silva Joaquim, mostrou os números consolidados da Upa Padre Roberto, que apontam as maiores ocorrências: 46,52% em clínica médica, 20,56% em pediatria, 13,35 em pediatria e 10,69% em cirurgia geral, entre outras.

Sobre a quantidade de atendimentos realizados no período, Divinópolis lidera com 32.384 usuários, seguido de Carmo do Cajuru (314), São Gonçalo do Pará (149) e São Sebastião do Oeste (129), entre outras localidades do Oeste.

Pelos dados apresentados, os grupos de atendimentos com mais ocorrência são os das vítimas de acidentes de transito (533 casos), antirrábico (496), acidentes de trabalho (296), violência ou agressão (165). Os casos de intoxicação (53) e com animais peçonhentos (51) também estão presentes. Informa ainda a diretora da AUE que 7,3% das atendimentos médicos (2.359 usuários) foram encaminhados para semi-internação: 54,8% eram masculinos e 45,2% femininos.

Quanto ao tempo de permanência na semi-internação da Upa Padre Roberto, 30,73% ficaram por um dia; 22,09% por até 12 horas; 16,19% por mais de seis dias; e 11,45% por dois dias. Sobre os encaminhamentos, 59,52% tiveram alta e 19,37% foram internados, enquanto 6,78% abandonaram a unidade e 2,59% morreram.

Segundo os dados da AUE, a demanda principal é a espontânea com 86,51% dos usuários, destacando-se também os usuários de unidades do SUS (8,29%), via Samu Oeste (3,25%) e Corpo de Bombeiros (1,39%).

Entre as clínicas especializadas, os maiores índices de resolubilidade foram atingidos em neurologia (89,29%), pediatria (75,29%) e clínica médica (55,80%), que registrou o maior número de usuários (1.276).


Vigilância em Saúde

A diretora de Vigilância em Saúde, Janice de Oliveira Soares, apresentou os dados epidemiológicos de sua área, onde se destacam 582 agravos, em sua maioria originários de raiva canina (407 casos); sífilis (79): adquirida (50), em gestante (21), congênita (8); dengue (39), varicela (18).

Sobre os 432 óbitos de moradores de Divinópolis ocorridos no período, as causas principais ficam com as doenças do aparelho circulatório (30,8%), neoplasias/ tumores (19,0%), causas externas de morbi/mortalidade (12,3%), doenças do aparelho respiratório (8,3%) e do aparelho digestivo (6,5%), entre outras causas.

Neste campo de observação, registra-se numero expressivo de partos (902): por cesárea (51,8%); por partos vaginais (41,9%).

Quanto ao controle da dengue foram feitas 112.202 visitas; recolhidas 85,7 toneladas de lixo e 38 t de pneus. Também se observa número expressivo de reclamações/ denúncias de dengue, carrapatos e pulgas, escorpiões e roedores.

O setor de Vigilância visitou 530 locais para controle da doença de Chagas e 473 para controle com exames da esquistossomose. Houve 194 cães eutanasiados e 11 esterilizados; 166 coletas de água (Vigiágua) e mais de 55 mil folhetos educativos distribuídos.

A servidora Janice Soares destacou ainda 852 inspeções em estabelecimentos e outras 745 em serviços de alimentação; 256 inspeções em ambientes livres de tabaco; e 233 em projetos básicos de arquitetura, entre outras diligências.


Saúde mental

A diretora de Saúde Mental, Adriana Choucair de Carvalho Gama, apresentou o quadro do primeiro quadrimestre, enfatizando dados da Rede de Atenção Especializada. A equipe multiprofissional do Centro de Atenção Psicossocial III (CAPS III), que trabalha com as famílias, intervindo em momentos de crise, fez 1.207 atendimentos individuais; 1.160 consultas de nível superior (não médicas); 960 consultas médicas; 631 atendimentos a famílias, entre outras atividades terapêuticas e oficinas de suporte.

A equipe multiprofissional do Centro de Atenção Psicossocial III AD (CAPS AD), que atende e acompanha os casos de abuso ou vício em álcool e drogas, que opera 24 horas, realizou 3.108 administrações de medicamentos; 2.013 consultas de nível superior (não médicas); 1.009 atendimentos individuais; 975 aferição da pressão arterial e 716 atendimentos em grupo, entre outras atividades.

Quando ao tratamento intensivo, semi-intensivo e não intensivo, as maiores ocorrências, das 330 internações, foram causadas por multiplas drogas (150), álcool (80) e cocaína (5), entre outras causas.


Texto: Flávio Flora   Foto: Helena Cristino