Você está aqui: Página Inicial / Sobre a Câmara / Notícias / Prefeitura presta contas do 3º quadrimestre de 2017

Prefeitura presta contas do 3º quadrimestre de 2017

por Diretoria de Comunicação publicado 01/03/2018 16h48, última modificação 01/03/2018 16h48
Dívidas de longo prazo são preocupantes para Administração
Prefeitura presta contas do 3º quadrimestre de 2017

Prestação de contas do 3º quadrimestre de 2017 - Prefeitura

A equipe do setor de Contabilidade da Prefeitura Municipal de Divinópolis, esteve na tarde desta quarta-feira (28) na Câmara Municipal para Prestar Contas do 3º Quadrimestre de 2017. Estiveram presentes os Vereadores: Ademir, Eduardo Print Jr, Renato Ferreira, Kaboja, Nêgo do Buriti, Cleitinho Azevedo, Adair Otaviano e Janete Aparecida. Dos representantes da Prefeitura estiveram o Diretor de Contabilidade Agilson Emerson da Silva, a Gerente de Contabilidade Flávia Souza Guimarães e o Diretor Financeiro Marconi Alves Cunha.

 

A apresentação foi realizada pelo Diretor de Contabilidade Agilson Emerson da Silva, inicialmente foi demonstrada a Receita Arrecada pelo município de R$ 577 milhões a qual não superou a meta prevista que era de R$ 742 milhões o que representa uma diferença de R$ 165 milhões do esperado.


A projeção de crescimento da Receita Arrecadada foi de 4,18% e segundo o Contador os índices de crescimento da Receita ainda estão muito aquém do esperado, pois o deficit é de 6,23% com relação às Despesas que tiveram crescimento de 10,40% no período.

Crédito: Helena Cristina“É importante ressaltar que só no resultado do fim do ano que a Receita foi positiva, diferente do apontado no quadrimestre”, disse Agilson. E dos restos à pagar no ano de 2016 ficaram R$ 65.143.996,29 e para o ano de 2017 foram R$71.068.628,02 de dívidas a longo prazo, quantia esta que pode fazer com que os cofres públicos fiquem no vermelho até o final do ano.

Do percentual investido nos setores da Saúde, Educação e Suas (Sistema Único de Assistência Social) a pasta que teve maior investimento foi a Educação com 28,57%; a Saúde atingiu 26,29% e no SUAS a aplicação foi de 2,62%.

 


Texto: Liziane Ricardo                                     Foto: Helena Cristina