Você está aqui: Página Inicial / Sobre a Câmara / Notícias / Retalhos de madeira viram arte nas mãos de artista plástico

Retalhos de madeira viram arte nas mãos de artista plástico

por Diretoria de Comunicação — publicado 06/09/2017 17h30, última modificação 04/12/2017 18h14
Retalhos de madeira viram arte nas mãos de artista plástico

Trabalho do Artista Plástico Cloves

A criatividade humana não conhece limites, quando se trata de fazer arte. O artista plástico Cloves Barbosa dá uma boa demonstração da sua habilidade artesanal em madeira MDF.

O Espaço Cultural GTO mostra aos visitantes, até o dia 15 deste mês a coleção de mandalas deste artista divinopolitano que sabe, como poucos, transformar retalhos e sobras de madeira MDF (fibras de média densidade) em obras de arte mística. Utiliza em seu trabalho cola branca especial e verniz automotivo.

As mandalas são de vários tamanhos e desenhos, com preços médios variando de R$ 70 (para as pequenas) a R$ 150 para as maiores.

2017 - Trabalho artista plástico Cloves Barbosa Demorado processo criativo

Ao falar de sua técnica para lidar com tantas peças pequeninas, Cloves explicou que sua arte envolve algumas etapas prévias, tais como recolhimento das sobras de material na marcenaria, seleção das peças (algo em torno de 26 tipos de tamanhos variados), apuração de peças iguais em recipientes individuais, primeira disposição de peças e início da colagem:

Em cada coleta desse material é uma surpresa ver o que estava sendo eliminado. É um trabalho de paciência, ou melhor dizendo, é um exercício de obstinação e paciência, mas me sinto realizado em fazer”,revelou o artista.

Barbosa explicou que o seu trabalho é realizado de forma não convencional, pois não há como desenhar antes o que vai ser composto. Ao tentar explicar o processo de criação, ele acredita que o resultado possa ser “arranjos do subconsciente”.

O ex-comerciante Cloves Barbosa começou seu trabalho em 2012, construindo oratórios e mandalas. Hoje em dia, além desse trabalho, ele se dedica voluntariamente a praticar a arte com internos da clínica terapêutica da Chácara João Paulo II. Sua “terapia de paciência e perseverança” tem dado ótimos resultados.

Texto: Flávio Flora                         Fotos: Liziane Ricardo


registrado em: ,